segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Números naturais em parlendas, cantigas e músicas - 1º ano



Projeto de aula 01

Unidade 2: Brincando, eu aprendo! 
Tema do projeto: Números naturais em parlendas, cantigas e músicas 
Tempo de desenvolvimento do projeto: 10 dias 
Autoria: Tânia Tavares Paulino

 

Justificativa

Quando a criança chega ao 1º ano de escolaridade, já traz vários conhecimentos matemáticos, como noções de contagem, medidas, espaço e formas. Cabe à escola trabalhar de forma articulada esses conhecimentos, permitindo que o aluno construa o pensamento matemático sempre interligando os campos do conhecimento.
A noção dos números naturais é o primeiro passo para a ampliação do campo numérico que a vida em sociedade exige. Porém, os números naturais podem ser usados para indicar os mais diversos propósitos: quantidades, posição (aspecto ordinal), códigos (telefones, placas de carro, etc.), unidades de medidas.
Como permitir, então, que o aluno construa o significado do número natural e de seus diferentes usos no contexto social, com base em seus conhecimentos? Como permitir que o aluno vivencie esses conceitos?
Ao propor brincadeiras cantadas e parlendas, o projeto visa criar situações nas quais os alunos vivenciem as diferentes finalidades do número natural na vida em sociedade. Com base nessa vivência, pretende-se que os alunos criem hipóteses sobre o significado dos números e comecem a elaborar conhecimentos sobre as escritas numéricas.
As atividades devem valorizar a troca de experiências entre os alunos como forma de aprendizagem. Além disso, devem despertar sua curiosidade para questionar, explorar e interpretar os diferentes usos dos números. As brincadeiras cantadas e parlendas facilitam a memorização, tornando a aprendizagem prazerosa.
OBJETIVOS
  • Refletir sobre os números naturais e suas diferentes funções na sociedade por meio de parlendas, cantigas e músicas.
  • Ampliar o conhecimento sobre os números naturais.
  • Reconhecer e utilizar os números no contexto diário.
  • Conhecer diferentes cantigas e parlendas.
  • Aplicar diferentes estratégias para identificar a utilidade do número no contexto social.
  • Desenvolver-se por meio de oralidade e gestos.
  • Utilizar parlendas, cantigas e músicas para ampliar o vocabulário.
ÁREAS DO CONHECIMENTO
  • Matemática: números naturais em situação de uso, – leitura, escrita, comparação e ordenação; números em situações que envolvam contagens e medidas; coleta e organização de informações por meio de tabelas; cálculo mental.
  • Língua Portuguesa: leitura e interpretação de informações contidas em imagens; relação entre oralidade e escrita.
  • Pluralidade cultural: valorização do patrimônio cultural – parlendas e cantigas.
OBJETIVOS DO MILÊNIO/ONU RELACIONADOS A ESTE PROJETO DE AULA:
Imagem

Desenvolvimento do projeto

Durante o projeto, o aluno vai construir o conceito de número natural em situação de uso (dimensão conceitual). Já na dimensão atitudinal, espera-se que o aluno aplique os conhecimentos referentes aos números naturais em sua vida diária, facilitando o entendimento desse conceito. Na dimensão procedimental, propõe-se que o aluno estabeleça meios de organizar dados numéricos, de modo a compreendê-los mais facilmente.

Momentos

  • Professor apresente a proposta do projeto aos alunos, deixando claro que o tema envolve cantigas, parlendas e músicas e que tem, como produto final, a apresentação dos textos trabalhados na escola. Para saber quais são os conhecimentos dos alunos sobre o tema, pergunte se eles sabem o que é uma parlenda e se podem citar alguma. Geralmente, os alunos conhecem parlendas, mas podem ter dificuldade em defini-la.
    A Unidade 2 do livro didático da Coleção ECO inicia com a parlenda Um, dois, feijão com arroz, que pode ser usada nesta conversa como exemplo. Depois mostre para os alunos o vídeo do Item 1 – Sugestões de multimídia e compare a parlenda do livro com a apresentada no vídeo. Questione quais diferenças existem nas duas versões e explique que as parlendas possuem versões diferentes, uma vez que fazem parte da cultura oral e modificam-se de acordo com a região do país.
    Acesse, com antecedência, o texto indicado no Item 2 – Sugestões de multimídia que inclui uma definição sobre parlendas para obter mais informações sobre este gênero textual. A leitura do texto vai auxiliá-lo no desenvolvimento do projeto.
    Depois de assistirem ao vídeo, entregue para cada aluno uma folha de sulfite contendo a parlenda Um, dois, feijão com arroz,  diponível no Item 3 - Sugestões de multimídia.
    Proponha aos alunos que completem a parlenda com os números que estão faltando, em forma de algarismos ou escrevendo o numeral por extenso, e peça que a ilustrem. Questione a utilidade dos números nessa parlenda: indica uma quantidade, uma contagem ou uma posição? Explique que a intenção da parlenda é divertir por meio das rimas e que os números são usados como contagem, como se fosse uma marcha.
    Em seguida recite primeiro a parlenda com os alunos em forma de jogral, depois, em um espaço maior da escola, eles a repetem enquanto brincam de marchar. Recolha a atividade dos alunos para que possa ser utilizada na apresentação final.
  • Relembre a parlenda trabalhada no momento anterior: Um, dois, feijão com arroz. Explique que será apresentada uma nova parlenda e exponha em um cartaz, preparado antecipadamente. Para preparar esta atividade você pode acessar o Item 4 – Sugestões de multimídia e conhecer o trabalho desenvolvido pela professora Karina, em seu blog, com a parlenda “A galinha do vizinho”.
    Em seguida leia com a turma o que você preparou no cartaz e pergunte se já o conheciam. Depois de lerem a parlenda solicite que criem gestos representando as quantidades.
    Distribua folhas de papel sulfite contendo apenas o início da parlenda – “A galinha do vizinho bota ovo amarelinho” – para os alunos completarem com os versos finais – “bota 1”, “bota 2”, “bota 3”, etc. Com bolinhas de papel crepom ou com desenhos, os alunos devem representar as quantidades de ovos.
    Para incrementar ainda mais este momento, é possível fazer a dobradura da galinha. Acesse o Item 5 – Sugestões de multimídia para obter informações sobre o desenvolvimento da atividade e depois colar na folha da atividade com a parlenda. Questione a turma sobre a utilidade dos números que aparecem na parlenda: são registros de quantidades, ordem ou contagem? Explique que os numerais estão indicando quantos ovos a galinha do vizinho botou. Pergunte se os números da parlenda anterior também tinham essa função. Leve-os a perceber que na parlenda anterior os números não estavam indicando quantidades e, sim, uma brincadeira oral de contar e rimar. Recolha a atividade produzida para juntar com a anterior.
  • Informe a turma que nesse momento não será usada uma parlenda e, sim, uma cantiga. Apresente os vídeos indicados do Item 6 – Sugestões de multimídia – da cantiga Terezinha de Jesus. Ao terminarem de assistir, pergunte aos alunos sobre o que fala a cantiga: quem caiu, quem ajudou e em qual ordem? Peça que alguns alunos dramatizem a canção, representando Terezinha e os três cavaleiros. Para incrementar a encenação, faça chapéus de jornal para os três cavaleiros. Escreva, então, a letra da música no quadro (apenas as duas primeiras estrofes) e peça aos alunos que a registrem em papel sulfite, destacando as palavras “primeiro”, “segundo” e “terceiro”. Ao escrever a cantiga, ressalte a necessidade de espaçamento entre as palavras, a direção da escrita, o uso dos versos e das estrofes.
    TEREZINHA DE JESUS 
    TEREZINHA DE JESUS
    DE UMA QUEDA FOI AO CHÃO.
    ACUDIRAM TRÊS CAVALEIROS
    TODOS CHAPÉU NA MÃO.
     
    O PRIMEIRO FOI SEU PAI.
    O SEGUNDO SEU IRMÃO.
    O TERCEIRO FOI AQUELE
    QUE A TEREZA DEU A MÃO.
    Após todos terem registrado a letra da cantiga, cante-a novamente com a turma, apontando as palavras no quadro. Explique que nessa cantiga aparecem numerais ordinais, isto é, números que indicam ordem ou posição. Mostre as palavras destacadas e pergunte aos alunos se eles sabem como registrar essas palavras usando números. Então, peça que eles os escrevam no quadro, como souberem. Se nenhum aluno chegar ao registro correto, escreva você como é: 1º, 2º e 3º. Se julgar conveniente, você pode ampliar o conhecimento registrando até 10º ou 20º. Dê exemplos de como usamos esse tipo de numeral: a posição na sala de aula, na fila, nos andares dos prédios, nas premiações de provas esportivas, etc. Recolha a atividade.
  • Acesse previamente o Item 7 - Sugestões de multimídia e assista ao vídeo com Bia Bedran que mostra uma dinâmica com professores e a música Dança das caveiras. Desta forma você obtém informações de como poderá realizar a dança com seus alunos.
    Leve os alunos para um lugar amplo, coloque a música para tocar, depois que explicar a atividade, para que possam movimentar-se de acordo com o que diz a letra da música Dança das caveiras. Deixe que criem livremente os gestos. Será um momento divertido e de descontração.
    Ao retornar para a sala de aula, apresente aos alunos a letra da música em folha sulfite indicada no Item 8 – Sugestões de multimídia – sem o refrão, para não ficar muito extensa. Após fazer a leitura coletiva, peça aos alunos que pintem as horas que aparecem na música e as respectivas rimas. Questione o que representam os números neste caso. Explique que os numerais estão representando uma medida de tempo: a hora. Exemplifique quando e como usamos essa unidade de medida. Depois, solicite que os alunos representem as horas citadas na música apenas com números, como vemos em relógios digitais, ligando os números da letra da música às suas representações (Exemplo: uma hora - 1:00 h). Permita aos alunos que ilustrem livremente a música trabalhada. Recolha a atividade.
  • Para esse momento, utilize a música Indiozinhos indicada no Item 9 – Sugestões de multimídia. Ao cantar a cantiga, peça aos alunos que criem gestos para representá-la. Apresente a letra em um cartaz previamente preparado. Depois, entregue uma cópia da letra, sem conter os numerais, solicitando que a completem com essas informações. Questione o que é um bote e para que ele serve. Peça que ilustrem a música com a quantidade de indiozinhos que havia no bote. Solicite, então, uma dramatização da música que pode ser em formato de esquete, pois é mais rápido. Isso pode ser feito em grupos de 10 alunos, que representarão os índios. Estabeleça um tempo para que combinem a apresentação e auxilie-os, fazendo as intervenções necessárias. Os grupos devem apresentar para os colegas o que ensaiaram. Explique que um grupo de dez é o mesmo que uma dezena. Se for preciso, mostre o material dourado para facilitar o entendimento. Recolha a atividade.
  • Apresente a letra ou o vídeo com a música. “Os patinhos” indicados no Item 10 – Sugestões de multimídia. Cante e faça os gestos junto com os alunos. Depois, entregue para a turma, uma folha para cada um contendo os cinco patinhos ilustrados modelo indicado no Item 11 – Sugestões de multimídia. Solicite que pintem os patinhos, recortem e cole-os em palitos de sorvete. Cante novamente a música utilizando os palitos para representá-la. Questione o que acontece na música: Se havia 5 patinhos e só voltaram 4, quantos patinhos sumiram? Como podemos representar isso usando números? Se os alunos não chegarem a nenhuma conclusão, explique a eles o conceito da subtração, utilizando os patinhos nos palitos, e registre no quadro a representação: 5 – 1 = 4. Faça o mesmo com todos os versos. Crie uma situação, questionando o que aconteceria se houvessem 4 patinhos e aparecesse mais um. Quantos ficariam? Use os palitos para ilustrar a situação e depois registre no quadro a adição: 4 + 1 = 5. É importante que os alunos realizem a operação usando os patinhos nos palitos e depois a registre.
  • Reúna todas as atividades desenvolvidas até o momento, por aluno, e grampeie-as, formando um livreto para cada um. Relembre as parlendas, cantigas e músicas trabalhadas durante o projeto, relendo-as com os alunos. Oriente-os a acompanharem a leitura em seus livretos. Registre os títulos das parlendas, cantigas e músicas trabalhadas em um cartaz, deixando espaço para a montagem de uma tabela. Ao fazer essa retomada, é interessante cantar ou recitar os textos com a turma. Explique aos alunos que eles escolherão os textos de que mais gostaram para apresentar na escola. Chame um aluno por vez e peça que cole um pequeno quadrado de papel colorido na música, cantiga ou parlenda de que mais gostou. Ao encerrar a votação, peça aos alunos para observarem quais foram os textos mais votados e registre-os assim: 1º lugar: ______________, 2º lugar: _________ e 3º lugar:______________.
  • Para a apresentação do produto do projeto para a comunidade escolar, é preciso organizar a turma em três grupos, um para cada texto escolhido. A distribuição pode ser feita por sorteio, de acordo com a preferência dos alunos ou sua. Ao separar os grupos, oriente-os sobre como apresentar as músicas, cantigas ou parlendas escolhidas para a comunidade escolar. Acompanhe os trabalhos dando sugestões e fazendo intervenções quando necessário. Seguem algumas sugestões de apresentação.
    • Um, dois, feijão com arroz: apresentação em forma de jogral ou marchando e recitando. Podem ser feitos cartazes com os números, para serem mostrados ao recitar a parlenda.
    • A galinha do vizinho: dramatização ou apresentação de cartazes feitos pelos alunos.
    • Terezinha de Jesus: dramatização da letra da cantiga. Os cavaleiros podem usar chapéus, como foi feito durante o projeto.
    • Dança das caveiras: além de representação com gestos e dança, os alunos podem confeccionar relógios, usando papelão ou cartazes, que mostrem as horas citadas na música. Outra opção que pode deixar a apresentação bem interessante são as máscaras de caveira
    • Indiozinhos: usando TNT, é possível fazer o molde de um bote e o jacaré pode ser representado por desenho em cartaz ou em máscara para serem mostrados durante a dramatização.
    • Patinhos: podem ser feitas máscaras de patinhos para dramatizar a música.

Exposição do projeto à comunidade escolar

Os alunos podem elaborar um convite para as outras turmas da escola, convidando-as a assistirem apresentação. Pergunte aos alunos o que deve conter um convite e registre as ideias no quadro. Leve alguns modelos para que eles observem e tenham um referencial. Após escrever a produção coletiva no quadro, entregue uma folha de papel sulfite para cada aluno, que registra o convite e cria sua ilustração. Quando todos terminarem, pergunte quem gostaria de entregar os convites. Explique que quem fizer isso, além de levar o convite em outra classe, deve explicar o que será apresentado. Para esse momento, talvez seja necessário a ajuda de um funcionário da escola, para que os alunos não atrapalhem as outras turmas. Entregue apenas um convite em cada sala de aula, de preferência para a professora.

Acompanhamento da aprendizagem

Ao concluir o projeto, espera-se que o aluno conheça e compreenda as diferentes funções do número na vida em sociedade. O projeto busca ampliar os conhecimentos matemáticos ao representar concretamente as quantidades, medidas e contagens. Além disso, que aluno seja capaz de realizar com autonomia a leitura de textos e tabelas. Quanto às atitudes dos alunos, as atividades sugeridas permitem desenvolver o respeito pelo outro e a participação de todos.

PARLENDA Um, dois, feijão com arroz.
O Blog BigMae.com apresenta uma breve definição de parlendas e cita alguns exemplos deste gênero.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este blog foi criado para trocar idéias e compartilhar saberes. Que bom que você passou por aqui se desejar deixe um recadinho...
E desde então, sou porque tu és
E desde então és
sou e somos...
E por amor
Serei... Serás...Seremos...
Pablo Neruda
OBRIGADA PELA LEITURA...

Poderá também gostar de:

Related Posts with Thumbnails

Windows Live Messenger + Facebook