RSS

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Mobiles feitos de papel

Achei esses mobiles em um site para comprar, foi ai que aprendi fazer e quero compartilhar com vcs.
Para quem quiser comprar eles estão disponíveis no site ETSY e para quem quer mostrar seus dotes , abaixo tem alguns moldes.












Clique aqui no Passo a Passo

terça-feira, 16 de junho de 2015

Relatório Individual ( criança de 3 anos )

Neste primeiro trimestre trabalhamos a adaptação e socialização do XXXXXX. Trabalhamos com cantigas de roda, histórias infantis, músicas diversas, brincadeiras dirigidas e livres e com filmes com a intenção de estimular a oralidade, coordenação motora, fantasia, imaginação. Procuramos utilizar atividades que fortalecessem o vínculo afetivo e social dele e o respeito às regras e combinados, estimulando o carinho e o respeito ao próximo. Iniciamos também a investigação com relação às preferências do XXXXXX para a elaboração do nosso projeto de trabalho. Ele  demonstrou dificuldades de adaptação à rotina do CMEI como muito choro no inicio, mas relacionando-se bem com colegas, professoras e demais funcionárias do CMEI. Com relação a seus esfíncteres, já consegue controlá-los, pedindo para ir ao banheiro quando necessita. Consegue se expressar e se comunicar de maneira satisfatória mas apesentando algumas trocas de fonemas com tudo demonstra que sua oralidade vem se desenvolvendo a cada dia.
Observamos que a criança conquistou sua independência de forma rápida durante esses três meses, pois ao chegar a sua sala, já pega sua agenda e seu copo e já põem no lugar, consegue andar corretamente fila; vai para rodinha quando é solicitado; sabe iniciar e terminar uma atividade;  escova os dente sem o auxilio de um adulto. E essa independência ele foi adquirindo aos poucos conforme íamos ensina na roda de conversa.
Durante esse trimestre trabalhamos atividade no intuito de descobrir um novo projeto. Usamos várias literaturas de apoio como: Cabritos, Cabritões de Gonzalez, Olalla; Fernandez, Federico Callis; O grande rabanete de Tatiana . Buscamos  através de musicas, atividade de colagem, dobraduras e roda de conversa para despertar seu interesse com assuntos sobre: O jacaré, Borboletinha, O corpo humano com a musica Cabeça, ombro, joelho e pé, Se eu fosse um Peixinho e O sapo. Apesar de realizarmos muitas atividades com o XXXXXX, sentimos que ainda o interesse dele pelo que foi apresentado não era tão interessante, pois esse conhecimento ele já tinha tinha desde que entrou no CMEI, mas a criança contribuiu satisfatoriamente com seus comentários e desempenhos:
Na historia dos três cabritinhos, XXXXXX recontou a historia corretamente usando o livro fazendo a leitura das figuras, ate gravamos . XXXXXX fez cabritinhos de massinha de vários tamanhos e brincou com eles dando cabeçadas. Na historia o Grande Rabanete, além de recontar a historia usando as figuras do livro, a criança foi capaz de colocar os personagens na sequencia correta de acordo com a historia, pintou o rabanete, só que não quis experimentar  a  salada de rabanete, mas dramatizou a historia com os colegas representando o cachorrinho que puxou a saia da menina.
Um dia desse ao irmos ao parque encontramos um caracol no muro da instituição, isso gerou muito interesse por parte dele , pois ele ainda não conhecia esse bichinho, “ Olha um bichinho na parede!. Levamos o tal bicnhinho para a sala no intuito de descobrir se era caramujo ou caracol, partindo dai surgiu o Projeto Caracol ou Caramujo? Trabalhamos observando o bichinho e sempre fazendo perguntas e trazendo novidades “tia Dulcy ele come terra?”; ”Ele é pequenininho e a gente e grande?”; “ O caracol faz coco e xixi?”; Ele anda no chão igual o caracol turbo!” O caracol estava dormindo na parede”. Perguntamos o que ele gostava de comer e ele respondeu “Rabanete” fazendo um paralelo com a historia do GRANDE RABANETE.. No final do projeto já conseguia diferenciar caracol de caramujo e o que gostava de comer : “ Tia ele come folhinhas , cenoura e rabanete!”


RELATÓRIO INDIVIDUAL DO BERÇÁRIO (CRIANÇAS DE 8 MESES A 1 ANO)

RELATÓRIO I


No decorrer desse semestre, vivenciamos o processo de adaptação das crianças que foram recebidas em seu primeiro ano na instituição, este processo foi dolorido para as crianças, pois trata-se da separação da família de forma ríspida. Recebemos as crianças com muito amor e carinho, respeitando o seu tempo para a compreensão do processo adaptativo. Diante disso é possível afirmar que ao recebermos a XXXXXX na instituição percebemos que ela apresentou dificuldades no processo de adaptação e chorava muito. Atualmente chora no momento da chegada o que demonstra a sua dificuldade em se separar-se da mãe.
XXXXXX apresenta uma criança bem esperta, já engatinha, gosta de explorar cada canto da sala de aula. Se alimenta muito bem comendo de tudo que lhe é oferecido. Gosta de DVDs principalmente da galinha pintadinha, assistir atenta a todos os detalhes sacudindo a mãozinha como se estivesse fazendo gestos.
No inicio do mês de março durante o trabalho realizado de adaptação da turma do agrupamento , percebemos o grande interesse dos bebês têm por sons e músicas. Em todos os momentos que estão brincando sempre estão batendo palmas, batendo um objeto no outro ou emitindo sons com a boca como se estivesse cantando. Ao assistirem o DVd da Galinha Pintadinha, batem palmas e sacodem os pés quando aparecem as imagens das musicas. Partindo dessas observações nasceu o projeto: “Cantando a Gente Brinca, Brincando a Gente Aprende”. XXXXXX foi uma das que mais gostou, por apresentar preferencia por musica e sons, a criança apresentou interesse e alegria em participar. Nas atividades que envolveram instrumentos musicais , construímos alguns com sucatas e outros fazem parte da bandinha da instituição. Seu primeiro contado foi com os chocalhos da bandinha, ao ver as professoras sacudindo ela sorriu e fez o mesmo demostrando alegria e satisfação e repetir o mesmo sons das professoras. Todas as vezes que tinha atividades com musica e instrumentos (chocalho)  XXXXXX era a primeira a pega e sacudir e em alguns momento ela o levava na boca, embora a  alegria e a curiosidade de ouvi o som do instrumento era maior, Quando foi apresentado o tambor, XXXXXX também gostou muito ao ver as professoras batendo no mesmo veio engatinhando ate o instrumento sentou-se perto e bateu nas mãozinha imitando a professora, ela esta na fase em que somos para ela espelho e tudo que fazemos ela repete. Abrindo um parêntese fora um pouco do nosso projeto , quando ela ver um coleguinha dela chorando ela vai ate o bebe conforto e balança, nos imitando, pega a escova de cabelo e tenta pentear o cabelo dos colegas, pega a banana ou a mamadeira e coloca na boca dos colegas , repete gestos com as mãos e e os pés , os mesmo feitos pelas as professoras durante as musicas,  isso acontece porque existe um mecanismo ligado à nossa capacidade de aprendizado cultural. Ao observar o que os outros indivíduos fazem, nosso corpo está preparado para reproduzir os mesmos movimentos. Na questão do desenvolvimento da linguagem, por exemplo, os bebês imitam os adultos para aprender a falar e se movimentar. É como se eles olhassem para os outros e vissem a si mesmos. Fofo, não?. E isso que  ocorre com a XXXXXX. Muito esperta por sinal.
Nas atividades que envolveram musicas, trabalhamos a musica no todo o carimbo da mão com tinta, varias vezes quando trabalhamos essa atividade XXXXXX vinha ate a mesa engatinhando e ficava batendo a mãozinha na mesa como se estivesse já carimbando sua mão. Seu primeiro cantado com a tinta não foi muito feliz , pois ao colocar tinta em sua mão ela achou estranho e chorou muito com medo da sensação , lavamos rápido sua mão e ao pouco fomos colocando para que sentisse a textura da tinta e não sentisse mais medo. Na atividade conhecendo o sons dos objetos, XXXXXX ficou parada e atenda o som que saia do DVD, ficava olhando para os lados tentando descobrir de onde vinha os sons, ao perceber que o sons vinham do aparelho de DVD engatinhou ate o aparelho e ficou observando. Quando ouviu som de cachorro acreditamos que ela reconheceu, pois sorriu e bateu palminhas. No sons musicais XXXXXX dançou ao som das musicas agitadas e parava quando a musica era mias lenta, percebemos que esse tipo de sons musicais fazem parte de seu cotidiano e ao conhece-lo, dançou e bateu palminhas.. Apresentamos outro instrumento musical o tambor , colocamos ele no centro da sala  ao vê-lo XXXXXX  veio engatinhando ate o instrumento colocou a mãos e começaram a fazer sons com as mãozinha enquanto a musica tocava. Apesar de sua participação ter sido pouco , pois faltou muito por esta doente, XXXXXX em todas as atividade apresentadas pelo Projeto demostrou interesse em participar e foi notório seu crescimento e sua independência em realizar as atividades.
Na atividade Do projeto : Fazendo Artes , foi mostrado para os bebês uma obra do pintor Romero Britto “ O Peixe” , Fixamos na parede a imagem do quadro e esperamos para ver o que iria acontece, XXXXXX foi uma das que foram ate lá e ficou passando a mãozinha tentando arrancar o cartaz. Quando começamos a pinta a imagem ela pegou no pincel, olhou e foi direto para boca, então pegamos e mostramos para ela como passar o pincel com tinta na atividade, novamente ela pegou e colocou na boca, pegamos na sua mão com o pincel e a levamos ate a imagens pintamos um pouco com ela e depois soltamos sua mão, ela continuou por um tempo e colocou na boca novamente. “A boca é o centro das maiores e melhores experiências nos primeiros meses de vida” É muito importante que a criança tenha essa fase de usar a boca para “conhecer” as coisas e XXXXXX faz isso corretamente , pois quando oferecemos um brinquedo ou algo que ela ainda não viu , vai primeiramente direto a boca.
Nas atividades realizadas com Blocos de encaixe, XXXXXX sempre leva a boca antes de começa, essa experiência e engraçada pois enquanto não vai a boca ela não inicia nada. Um dia desses ao brincar com bloco de encaixe , ela foi ate a piscina de bolinha pegou alguns blocos trouxe ate o centro onde estávamos brincando com eles e não colocou na boca ficou tentando encaixa-los. Notamos que objetos que ela já conhece ela não leva a boca.

O desenvolvimento de XXXXXX a cada dia nos surpreende esperando que possamos descobrir mais de sua capacidade aplicando mais atividade para o seu crescimento. 





RELATÓRIO II

No decorrer desse semestre, vivenciamos o processo de adaptação das crianças que foram recebidas em seu primeiro ano na instituição, este processo foi dolorido para as crianças, pois trata-se da separação da família de forma ríspida. Recebemos as crianças com muito amor e carinho, respeitando o seu tempo para a compreensão do processo adaptativo. Diante disso é possível afirmar que  Ana Julia  apresenta-se como  uma criança muito tranquila, meiga e esperta. Não apresentou dificuldade em permanecer na instituição, se alimenta muito bem , porem dorme muito pouco, pois assusta com qualquer barulho. Ao rebemos a Ana Julia na instituição, ela não sentava e nem arrastava , ao ficar sentada as professoras do agrupamento tinham que segurar para ela não cair. Hoje Ana Julia já senta sem apoio e fica em pé com o auxilio das professoras. Apresenta ser bem expressiva, pois demostra suas necessidades através do choro e sorriso e também já esboça alguns balbucios
No inicio do mês de março durante o trabalho realizado de adaptação da turma do agrupamento , percebemos o grande interesse dos bebês têm por sons e músicas. Em todos os momentos que estão brincando sempre estão batendo palmas, batendo um objeto no outro ou emitindo sons com a boca como se estivesse cantando. Ao assistirem o DVd da Galinha Pintadinha, batem palmas e sacodem os pés quando aparecem as imagens das musicas. Partindo dessas observações nasceu o projeto: “Cantando a Gente Brinca, Brincando a Gente Aprende”. Durante o projeto XXXXXX participou muito pouco, ela ainda era muito bebê quando começamos, mal sentava ficava a maior parte do tempo no bebê conforto observando os colegas realizarem as atividade, no colo de alguma de nós ou sentada com o apoio das mesmas . Sentia muito sono e sempre dormia durante as atividades , pois no momento ainda não era interessante para ela. O que mais a chamou atenção foram as musica cantadas principalmente quando pegávamos os chocalhos, ela ria e sacudia a mãozinha como forma de participação. Quando entregávamos algum instrumento no intuito dela sacudir e observar o seu som de perto, ela não tinha força para segura e deixava sempre cair no chão, o que notamos também e que ela não fixava os olhos no objeto como o outro bebes, algumas vezes ela olhava rápido e nos olhava e ria . No inicio nos preocupamos em como atingir a XXXXXX nesse projeto , por ela ser tão bebê tinha algumas exceções. Mas ela nos surpreendeu dando um grande avanço no seu crescimento no projeto , de repente XXXXXX começou a aparecer e deixar sua marquinha no projeto. De tanto que insistíamos como ela na execução das atividades , mesmo que ao nosso ver parecia que ela não estava aprendendo , XXXXXX nos surpreender quando pegou o chocalho mesmo pesado para ela começou a sacudi e a balbuciar como se estivesse cantado, “lindo”. Ela ficou uns dias sem vim a instituição por motivo de doença, quando retornou era outra XXXXXX já estava sentando sozinha , pegando brinquedos sem precisa colocar em sua mão. Damos andamento ao projeto , mas no caso de XXXXXX apenas as musicas e os sons dos instrumentos chamaram  sua atenção , ela gosta de tudo que estar direcionado a musica  e barulho (sonoro). Ao nosso vê ela apresenta  uma habilidade natural para interagir e entender os sons e musicais isso ficou mais claro no momento que trabalhamos o sons do ambiente mostrando sons de animais e barulho de objeto, pois ela olhou para porta quando ouviu o som da porta se fechando e o som da buzina do carro, ficou espantada e olhava para os lados .
Seu primeiro contado com a tinta foi interessante , quando passamos a tinta em sua mão ela ficou observando e mexendo a mãozinha sentindo a textura da mesma.


Na pascoa XXXXXX ouviu atenta as encenações , observando tudo ao seu redor , participou da partilha do pão , achou o pão com gosto não muito agradável ao seu paladar , pois fez uma careta ao coloca-lo na boca.
Nas atividades que antecederam o dia das mães XXXXXX participou de todas carimbando o pezinho no cartão da mamãe  e a mãozinha na florzinha tudo para homenagear sua mamãe.
O Desenvolvimento da XXXXXX tem sido notório a cada dia. Ela já esta sentando , já arrasta um bumbum ate conseguir pegar um objeto fora do seu alcance,  já levanta sozinha ficando em pé no berço ainda com um pouco de medo, ousa a cada dia conquista seus desafios crescendo em esperteza e intelecto.


10 BRINCADEIRAS AO AR LIVRE PARA BEBÊS MENORES DE 1 ANO – PARTE I

Quando a criança tem menos de um ano  o repertório de brincadeiras e atividades são bastante limitadas e isto fica mais evidente  em dias de passeios,onde surge por exemplo a seguinte afirmação ‘ele não vai aprovetar nada’, isto porque os pequenos ainda interagem pouco e ainda são totalmente depedentes dos adultos. mas isso não quer dizer que brincar com eles não seja importante e que você tenha que ficar em casa  ao contrário eles estão ligados em tudo que acontece a seu redor, mesmo que não pareça, Conexões estão sendo feitas no cérebro dele e informações, decodificadas e categorizadas o tempo todo. E as brincadeiras servem para encaixar tudo isso como se fosse um quebra-cabeça e serão fundamentais para o desenvolvimento social, emocional, físico e cognitivo da criança  à medida que ele crescer.
E é isto que pretendo mostrar nesse post ,são 10 sugestões de brincadeiras para  crianças que estão nessa primeira fase de desenvolvimento  com atividades que estimulam  os sentidos da criança seja  através do toque, da visão, do olfato e da audição e pra tornar esses momentos mais prazerosos tudo ao ar livre,no parquinho,praia ,quintal… Vamos brincar?
  1. Olha que legal!
A maior parte das brincadeiras desta fase consiste em mostrar coisas para o seu filho. Vale qualquer objeto da casa que não corte, queime ou possa ser engolido e também animais como aves e o encare-o com encantamento para mostrar. não espere que uma criança tão pequena realmente entenda do que se tratam. Mas o ritmo da sua voz e a sua companhia, além de estímulos visuais, costumam ser apreciados pelos pequenininhos. Você vai saber se ele está gostando da atividade se ficar atento e quietinho
Faixa etária: apartir  0 meses
Onde: Quintal, Praça, Dentro de casa, Parque
2. Serra-Serra, Serrador ou bebê voador
Quando a cabeça do bebê mais firme, já dá para brincar de aviãozinho ou de foguete, fazendo o bebê “voar” na horizontal, deitado e bem apoiado entre seus braços (papais costumam ser craques nessa brincadeira). Uma variação é brincar de elevador: você segura o bebê no colo e sobe e desce em direção ao chão com ele, contando os andares ao mesmo tempo (a menos que esteja em excelente forma física, você não precisa se agachar até o chão!) .
Outra brincadeira é o tradicional serra- serra Coloque a criança no colo. Segure os bracinhos dela estendidos e faça movimentos para frente e para trás cantando:
“Serra, serra, serrador
Serra o papo do vovô!
Quantas tábuas já serrou?
Uma, duas, três!”
Dica: quando chegar ao “três”, faça algum movimento engraçado: cócegas no bebê, ou levante-o bem alto.
Faixa etária: apartir  dos 4 meses
Onde: Quintal, Praça, Dentro de casa, Parque
Estimula: Coordenação motora, Equilíbrio, Movimento, Ritmo
3.Bolinha de sabão!
Parece mágica! Basta um arame em círculo, água e sabão. A brincadeira é antiga e não há quem deixe de experimentar.
Os bebês ficam encantados quando as bolinhas estouram, no meio de uma crise de choro, procure uma área externa e comece a assoprar as bolinhas só para ver o que acontece: as lágrimas param na hora. E se puder ir a um local onde crianças maiores estejam brincando, melhor ainda. Elas virão correndo para olhar as bolhas também e acabarão entretendo o bebê só com sua presença. Outra vantagem é que esse é um brinquedo fácil de transportar e barato.
Sugestão
Ingredientes:
* um pedaço de arame para entortar
* água
* detergente ou sabão em pó
* xarope de milho
Como fazer:
É bem simples. Misture 1/2 copo de detergente e 2 colheres de xarope de milho em 1/2 litro de água.O xarope de milho é para encorpar as bolhas e aumentar o tempo de duração delas. Depois,  basta molhar o arame entortado em forma de aro e assoprar.Agorase você preza pela praticidade em lojas de festa,no atacado dos presentes (nesses estabelecimento é vendido apartir de R$ 0,99)e também nos parques já vendem o copinho de bola de sabão pronta,aí é só comprar ,soprar e se divertir.
Faixa etária: apartir  dos 4 meses
Onde: Quintal, Praça, Dentro de casa, Parque
Estimula: Visão, Concentração , Movimento, Ação-consequência
4.Ler ao ar livre
O livro é o portal para imaginação e se isso acontecer ao ar livre – observando a natureza, o céu, as formas das nuvens, o vento…- pode ser ainda melhor. Ouvir histórias desenvolve a fantasia, o imaginário, a linguagem e o gosto pela leitura. E o principal: estabelece vínculos entre pais e seus filhos.
Faixa etária: apartir  do 0 meses
Onde: Quintal, Praça, Dentro de casa, Parque
Estimula: Visão, Concentração , Movimento, Ação-consequência,Ritmo

5.Brincar com cata-vento
Quando  força do vento o faz girar as crianças ficam fascinadas  principalmente quando são coloridos já quando  as crianças maiorzinhas interagem com o cata-vento, o desenvolvimento motor é favorecido.Você pode adquiri-los em loja de festas infantis(os laminados custam R$ o,99 já os de materiais mais resistentes custam apartir de R$ 2,00)parques ou fazer em casa.
Você vai precisar de :
  • 1 Canudo grosso ou espetinho de churrasquinho
  • Cartolina
  • Régua
  • Lápis
  • Tesoura
  • Cola
  • Alfinete ou tachinha
Agora vamos ao modo de fazer (a parte engenhosa da coisa):
Desenhe um quadrado na cartolina (sugiro a medida de 25 cm, para cada lado).Agora você pode desenhar ou pintar este quadrado, para seu cata-ventos ficar muito estiloso.
Trace as linhas diagonais do quadrado, formando um “X”
Corte com a tesoura estas linhas até uma distância de 1,5 cm do centro.
Depois dobre as pontas (uma sim uma não) em direção do centro. Como na figura abaixo
Prenda as pontas no centro do quadrado com o alfinente ou com a tachinha.
Prenda no canudo ou no espetinho e pronto.
Agora é só sair por aí “catando o vento”.
Faixa etária: apartir  dos 6 meses
Onde: Quintal, Praça, Dentro de casa, Parque
Estimula: Visão, Concentração , Movimento, Ação-consequência,Ritmo,Percepção de cor
ATENÇÃO: O nível de atenção varia bastante, dependendo da idade da criança, do temperamento e até do humor do momento. Às vezes ele vai ficar envolvido em uma atividade por até 20 minutos, mas o mais comum é que a brincadeira precise mudar a cada cinco minutos, mais ou menos.

domingo, 7 de junho de 2015

Alfabetização e Letramento





Atividade: Monte a Palavra (alfabetização e letramento)

Objetivo: Perceber que as palavras são feitas por som (sílabas), e que estes sons podem ser formados por uma ou mais letras.
Ordenar sílabas para formar palavras.
Diferenciar desenhos de letras.
Interdiciplinarizar utilizando tema animais.

História do Tema:

Embaralhar as caixas e pedir que o aluno escolha um desenho.
Perguntar  se ele sabe o nome do animal e porque ele o escolheu.
Pedir para que o aluno abra a caixa e monte a palavra correspondente com o desenho da caixinha, se ele não conseguir pode pedir ajuda de um amigo.
Ganha o grupo ou o aluno que terminar primeiro.









Fonte : Trabalhos Escolares Criativos

Poderá também gostar de:

Related Posts with Thumbnails

Windows Live Messenger + Facebook